Publicado por: Lohran Anguera Lima | 07/02/2012

Entrevista com Simon Anderson

Esta entrevista foi publicada no Site Waves.

Leia também: Bem-vinda ao mundo, triquilha Thruster

O australiano Simon Anderson, atualmente com 57 anos, é uma das maiores lendas da história do surf mundial. Além de ter sido um bom competidor no incipiente circuito mundial, na década de 80, foi, talvez, o maior contribuinte do surf moderno. O surf, como é praticado nos dias de hoje, com velocidade e radicalidade sem precedentes, deve muito a Simon Anderson, criador da triquilha Thruster.

Ao colocar uma terceira quilha sob a prancha, Simon alterou, drasticamente, os parâmetros e o rumo do esporte. O Near The Ocean foi atrás dos detalhes os quais rondam uma das maiores revoluções no surf.

Muito obrigado a todos,

Lohran Anguera Lima.

A entrevista foi realizada, originalmente, em inglês, sendo traduzida para o português posteriormente por Lohran Anguera Lima, autor da mesma.

Simon Anderson, à direita, provocando estranhamentos com a terceira quilha. Foto: arquivo pessoal Simon Anderson.

Simon, o que mudou na sua vida desde que você criou a triquilha Thruster em 1980?

Nada, apenas reconhecimento por estar envolvido em um importante ponto no desenvolvimento da prancha moderna. Eu ainda faço pranchas, surfo o máximo possível e trabalho no desenvolvimento de novas combinações de elementos de design para mudar a sensação do meu equipamento e desenvolver novos modelos.

Sabemos que o que motivou a invenção da Thruster foi o domínio exercido por Mark Richards, com uma biquilha, durante circuito mundial de 1980. Conte-nos, exatamente, o que passou pela sua mente quando você teve a ideia de criar a triquilha Thruster.

Eu pensei que talvez pudesse unir a velocidade e a sensação de estar solto da biquilha com a estabilidade e o controle proporcionados pela monoquilha. Assim surgiu a triquilha, em outubro de 1980.

A maioria das pessoas o conhece por ter criado a triquilha Thruster, mas não sabe que você foi um surfista profissional. Isso o incomoda? Você gostaria de ser lembrado como um bom surfista profissional que foi ou como o criador da Thruster?

Eu preferiria ser lembrado pelo meu surf, mas meus feitos em cima da prancha não foram bons o suficiente para se manter. Então, eu tenho sorte de ser reconhecido como shaper e sou feliz com isso.

Quando você decidiu se dedicar à fabricação de pranchas, teve de parar um pouco de competir. Você se arrepende disso? Como você lidou com essa escolha?

Não, nem um pouco. Eu sempre avaliei a minha situação competitiva de acordo com circuito mundial e com o meu potencial para fazer o melhor nele. Nós estávamos, ainda, desenvolvendo o surf profissional e o circuito mundial, então não era algo ideal para grandes pessoas. Era difícil manter o foco nas competições, em particular quando elas aconteciam em regiões de ondas pequenas. Sendo um shaper, eu possuía duas profissões, então, dependendo das circunstâncias, eu pendia para uma delas. Por exemplo, quando chegava a temporada havaiana, meu foco, definitivamente, voltava-se para o surf profissional, o mesmo ocorria durante a perna australiana do circuito mundial.

Como ocorreu o processo de apresentação da triquilha ao mundo, e a posterior aceitação da mesma?

Em 1981, eu tinha a missão de provar ao mundo que a triquilha era um projeto válido. Em janeiro do mesmo ano, estive na Califórnia para lançar um modelo pela Nectar Surfboards. Fizemos alguns protótipos da triquilha Thruster e os apresentamos para o mercado americano numa mostra, em Orlando. Fomos, basicamente, expulsos do prédio por risadas e zombarias. Eu não liguei para isso, sabia que tínhamos de mostrar a credibilidade dessas pranchas, então era necessário que eu fizesse algo. Durante a temporada de 1981, eu tive um certo equilíbrio entre fabricar pranchas e surfar como profissional, mas acredito que me dediquei mais a este. Nesse mesmo ano, as ondas estavam de boas a épicas, o que me deu uma boa oportunidade de demonstrar o potencial da triquilha Thruster. Além disso, faz bem para a mente quando o mundo todo não acredita no que você está fazendo, acho que isso o estimula.

Fazer pranchas ou surfar, o que te faz mais feliz?

Definitivamente, surfar. Fazer pranchas é algo que faço para aumentar a diversão e o prazer das pessoas que surfam. Fabricar pranchas tem o seu lugar e está cumprindo a sua função. É ótimo ser capaz de ajudar surfistas a encontrarem a prancha certa para eles, mas estar em uma sala pequena, com luzes fluorescentes em chamas e poeira voando não pode ser comparado a estar no oceano, em um lindo dia, pegando ondas.

Simon Anderson em Sunset. Foto: Dan Merkel.

Você deve conhecer Ricardo Bocão, um dos maiores nomes brasileiros do surf. Ele defende e insiste ser o inventor da quadriquilha, mas essa autoria não parece tão clara e evidente. Você concorda com a autoria do Bocão?

Eu não tenho certeza sobre isso.

Então, quem você acredita ter sido o verdadeiro criador?

Olha… Sei que Bruce Mckee, um shaper australiano, afirma ser o primeiro inventor, mas é perfeitamente possível que ambos estivessem trabalhando nisso ao mesmo tempo.

Seguindo com o assunto, o que você pensa sobre as pranchas de quatro e de cinco quilhas? Esses modelos são, realmente, melhores do que as triquilhas em certas condições?

Eu acho que as pranchas de quatro e de cinco quilhas são modelos válidos, não é por acaso que Kelly Slater está trabalhando com esses projetos, principalmente com as pranchas de cinco quilhas. Alguns surfistas irão dizer que quatro quilhas é melhor, e eu tenho certeza de que elas funcionam mesmo melhor do que as triquilhas em certas condições. A principal questão é encontrar o que é melhor para o surf na região a qual você frequenta.

Mas três parece ser o número perfeito de quilhas.

Talvez por enquanto, mas veremos o que vem por aí. Espero que haja mais avanços inovadores no design das pranchas para ajudarem a todos nós. Ter boas pranchas para maximizar a sua diversão enquanto surfa é a missão de todos os surfistas, independentemente do nível em que você se encontra.

Simon, você foi imortalizado no Surfing Hall of Fame. O que isso significa a você?

É bom ser reconhecido por algo que você fez há 30 anos, e também é uma honra ser homenageado junto com George Downing, Chuck Linen e Taylor Knox, pessoas importantes na história do surf.

Recentemente, você publicou um livro chamado “Thrust”. Conte-nos um pouco sobre ele.

O livro é sobre a minha vida, crescendo em Collaroy e North Narrabeen, nas praias do norte de Sydney. Também retrata o caminho até o desenvolvimento da triquilha Thruster. É um livro estilo “coffee table”, com muitas fotos coloridas de pranchas-chave e de momentos-chave do surf.

É comum grandes shapers terem uma equipe de surfistas. Você possui uma?

Eu tenho um pequeno time de surfistas australianos, o qual é composto por Jay Thompson, Adam Robertson, Felicity Palmateer e Freya Prum. Mas eu faço pranchas, de tempos em tempos, para muitos surfistas do World Tour.

Simon, muito obrigado pela entrevista. Se quiser, deixe o seu recado para os nossos leitores. O espaço é seu.

Muito obrigado pelas palavras amigáveis e pelo espaço. “Best regards”.

Triquilha Thruster nas mãos do criador Simon Anderson. Foto: arquivo pessoal Simon Anderson.


Responses

  1. Muito bom irmão! Parabéns pela entrevista, vou replicar o inicio dela no UPONBOARD e para ler o resto redirecionarei para cá! Abraçoo

  2. […] Leia também: Entrevista com Simon Anderson […]


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Categorias